Andradina

A Música Salva já está arrecadando doações em Andradina

Um movimento organizado por músicos e profissionais de evento da cidade tem crescido e ganhado fortes adesões. A Música Salva, que já conquistou o apoio do Prefeito de Andradina, Mário Celso Lopes e da Primeira Dama, Juçara Lopes, presidente do Fundo Social de Solidariedade de Andradina.

A live está marcada para as 12hs do dia 13 de junho e pretende arrecadar recursos para a compra de 400 cestas básicas a serem entregues para as famílias mais fragilizadas pela Pandemia do Coronavírus.

A iniciativa já tem o apoio da secretária de Assistência, Desenvolvimento Social e Políticas Sobra Drogas, Silvana Silva e do Secretário Esportes, Cultura, Lazer e Juventude, André Lopes.
Segundo o vereador, Hugo Zamboni “a proposta, além de arrecadar alimentos para famílias que precisam, é levantar a discussão que a música salva e que como qualquer outra atividade, com respeito as regras, também pode ser promovida. Além do mais, diante de tantas perdas nesta pandemia, poder promover um momento de mais harmonia é uma situação que apenas a arte é capaz”.

O movimento já está arrecadando doações e todas as pessoas que tiverem dispostas a colaborar com a iniciativa pode começar doando as cestas básicas em alimentos ou cotas de uma cesta a partir de R$ 80 pelo PIX 18 99741 1415. Empresas também podem adquirir espaços publicitários da live para serem parceiras na campanha.

Homenagens
A live vai trazer homenagens e documentários sobre a transformação do meio artístico. A principal homenagem será para o músico Victor Hugo Flório, o Vitinho, que perdeu a vida na luta contra o Coronavírus. As bandas Regis Renner e MD6, onde Vitinho tocou, farão uma participação especial com lembrança ao baixista.

Os documentários trazem exemplos de pessoas que conseguiram se estabelecer profissionalmente da música como o cantor Luciano, projetos sociais como o de Afonsinho que trabalha com crianças com necessidades especiais e, pessoas que encontraram na música um meio de mudança de vida como o andradinenses Cristiano, que aprendeu a tocar instrumento enquanto esteve recluso.

Fora do Cenário
Ao mesmo tempo em que as lives solidárias ajudam no combate à fome de milhares de famílias em meio a pandemia, os músicos ficaram com o trabalho estigmatizado por promoverem aglomerações. Mesmo com a liberação restrita do funcionamento de bares e restaurantes, o som ao vivo sempre ficou de fora sob o argumento de que a música incentiva o agrupamento de pessoas.
Um estudo da União Brasileira de Compositores apontou que 86% dos músicos tiveram perdas durante a pandemia e 30% ficaram sem nenhuma renda.

“Com o movimento “A Música Salva”, a cidade de Andradina está liderando uma iniciativa para que a arte continue ajudando no combate à fome, mas que também reconheça os músicos como profissionais que precisam continuar trabalhando”, disse Zamboni.

Assessoria de Comunicação

Mostre mais

Artigos relacionados

Fechar