Regional

Polícia Militar forma 236 aspirantes a oficiais

Futuros tenentes receberam a espada após passar três anos na Academia do Barro Branco; durante o evento, cinco mil armas foram entregues à PM

O secretário da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, participou da solenidade de formatura de 236 aspirantes a oficiais no curso de bacharelado de Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública. A cerimônia foi realizada na Academia de Polícia Militar do Barro Branco, na zona norte da Capital, e também contou com a presença do governador de São Paulo, Márcio França.

“Parabéns pela jornada. Eu sei que foi um sacrifício, mas o Estado de São Paulo tem orgulho de cada um de vocês pelo esforço que tiveram, e também da Polícia Militar, que é exemplo de instituição nacional”, destacou o governador em seu discurso.

Além da formatura, o evento teve como destaque a entrega de cinco mil armas Glock.40, adquiridas pela Secretaria da Segurança Pública por meio de licitação.

Os aspirantes, aprovados em concurso público, iniciaram o curso em fevereiro de 2016, que teve aproximadamente 5.500 horas de aulas – totalizando três anos de estudos. Ao todo, são 209 homens e 27 mulheres.

O concurso teve 15.309 inscritos para 240 vagas, o que representa uma relação de 63,7 candidatos por vaga.

Durante a formação, que é reconhecida como graduação, foram aplicadas disciplinas como Polícia Comunitária, Direitos Humanos, Inteligência Policial, Noções de Polícia Científica, entre outras.

Durante a solenidade, os formandos também foram parabenizados pelo secretário Mágino, que ressaltou a qualidade dos aspirantes. “Em todas as cerimônias eu me dirigi a cada uma das turmas afirmando que o povo de São Paulo espera dos senhores fibra, honra, valentia e lealdade. Sem medo de errar, posso afirmar que, cada um desses valores, será entregue ao paulista”, disse.

O titular da pasta concluiu seu discurso agradecendo à Polícia Militar, que sempre esteve ao seu lado e também aos homens que fazem parte da instituição, arriscando suas vidas todos os dias em benefício da sociedade paulista.

O comandante-geral da PM, coronel Marcelo Viera Salles, foi uma das autoridades que discursaram durante a cerimônia e aproveitou o momento para demostrar a sua alegria em retornar à Academia de Polícia Militar do Barro Branco. “Não haveria lugar melhor para testemunharmos a declaração de aspirantes a oficiais à nossa força pública. Hoje, os senhores começam uma nova fase de suas vidas e da nossa amada Polícia Militar”, ressaltou.

O comandante também agradeceu ao titular da Secretaria da Segurança Pública. “Quero saudar o secretário, nosso comandante e grande professor. O senhor deixou marcas de respeito em todos nós, nos concedeu orientação nos momentos mais difíceis, e sempre será recebido de braços abertos. Muito obrigado”, concluiu.

O curso para os futuros oficiais tem o objetivo de capacitar os agentes para o exercício de comando e gestão das atividades de polícia ostensiva, preservação da ordem pública, defesa civil e territorial.

Espadas e próximos passos

Durante a formatura, os cadetes deixam seus espadins de lado e recebem a espada, símbolo do oficialato da Polícia Militar. A arma acompanhará os aspirantes em um estágio de seis meses.

Nesse período, os futuros oficiais acompanharão unidades de patrulhamentos de diversas regiões do Estado de São Paulo e, após esse estágio, serão promovidos à patente de 2º tenente.

Atualmente, a remuneração dos aspirantes a oficiais da Polícia Militar é de R$ 6.376,10 considerando adicional de insalubridade.

Paraninfo e patrono

O paraninfo da turma é o procurador de Justiça aposentado, Arthur Cogan. Ele iniciou sua carreira no Ministério Público do Estado de São Paulo em 1953, servindo por mais de 50 anos. Foi professor da Academia da Polícia Militar do Barro Branco de 1960 a 1993, à época ainda chamada de Centro de Formação e Aperfeiçoamento da Polícia Militar. Ele foi responsável pela formação de grande parte dos oficiais da PM, sempre apoiando o trabalho desenvolvido pela instituição.

O patrono é o tenente-coronel Antônio Pereira Lima. Nascido em 1899, em São Paulo, iniciou a carreira na PM, ingressando como soldado da Força Pública. Já como sargento iniciou no Curso Especial Militar, atual Curso de Formação de Oficiais da APMBB, em janeiro de 1925.

No mesmo ano, consagrou seu nome na história da aviação nacional, tornando-se o primeiro militar paraquedista brasileiro – fato que se concretizou após um salto sobre o aeroporto do Campo de Marte. O objetivo era angariar fundos para a construção do hospital da Cruz Azul. Em fevereiro de 1949, foi para a reserva com o posto de tenente-coronel.

Mostre mais

Artigos relacionados

Fechar